© 2017 by WWF-Brasil

CONHEÇA MAIS SOBRE

AS INICIATIVAS FINALISTAS

ZONEAMENTO CLIMÁTICO | UFV

Identificar as condições climáticas favoráveis à sobrevivência de cada espécie e conectá-las com territórios de restauração é o objetivo da ferramenta desenvolvida pela pesquisa da Pós-graduação em Meteorologia aplicada da Universidade Federal de Viçosa. Na forma de um aplicativo, a ferramenta deverá subsidiar a tomada de decisão no que se refere ao aumento da eficiência dos plantios para a restauração florestal.

Qual problema buscou resolver?

As elevadas taxas de mortalidade de mudas no campo.

A ferramenta quer promover o aumento da eficiência dos plantios, reduzindo perdas econômicas, sociais

e ambientais.

Por que é uma iniciativa inovadora?

A criação de um aplicativo ou DSS (Sistema de Suporte

à Decisão) que possibilite a escolha adequada das espécies, servindo de auxílio durante o planejamento

dos projetos de restauração florestal, pode contribuir

de forma significativa para reduzir a ocorrência de

plantios mal sucedidos.

Por que ela precisa do seu apoio?

Será necessário um trabalho profundo para disponibilizar as informações sistematizadas de forma objetiva,

simples e acessível para o público. O apoio de uma rede

de especialistas em restauração florestal e empreendedorismo será essencial para unir o conhecimento técnico com o conhecimento prático, possibilitando alinhar pontos de vista diferentes

durante a criação do aplicativo ou sistema de suporte

à decisão (DSS).

ASSOCIAÇÃO CAATINGA

O Projeto no Clima da Caatinga promoveu processos comunitários de educação ambiental, capacitação, transferência e apoio à tecnologias sustentáveis de conservação e uso sustentável da Caatinga, contribuindo para a redução da pressão degradadora sobre as matas e também para a melhor adaptação climática das populações locais. A experiência acontece no entorno da Reserva Natural Serra das Almas e desenvolveu um plano de manejo, propagou tecnologias sustentáveis que promoveram a convivência com o bioma, educação ambiental e comunicação sobre os valores da Caatinga a necessidade de sua restauração.

Por que ela precisa do seu apoio?

Para sistematizar os conhecimentos gerados ao longo dessa experiência em um material que possa ser replicado para outros contextos da Caatinga.

Qual problema buscou resolver?

A Caatinga é a região semiárida mais rica em biodiversidade do mundo e também uma das mais modificadas pelo homem no Brasil, com 45,5% da área total do bioma alterada. O Projeto No Clima da Caatinga buscou minimizar o baixo nível de transferência de conhecimento e de disseminação de tecnologias sustentáveis com comprovado impacto positivo para a conservação e uso sustentável dos recursos naturais.

Por que é uma iniciativa inovadora?

O projeto desenvolveu a visão de que a restauração florestal não é apenas uma atividade única de plantio de mudas, mas sim um conjunto de ações múltiplas que envolvam a comunidade num caráter de convivência com o semiárido. Como menos de 8% da Caatinga é protegida por Unidades de Conservação, é fundamental desenvolver mecanismos que viabilizem a convivência e cooperação entre as comunidades e o bioma.

IDESAM

O Programa Carbono Neutro (PCN) do Idesam trata da compensação de emissões de gases de efeito estufa (GEEs) através da implantação de Sistemas Agroflorestais (SAFs) em áreas degradadas na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã (RDSU), localizada na região nordeste do Estado do Amazonas, com o objetivo de perenizar a produção agrícola e florestal local por meio de um modelo de desenvolvimento econômico e social de “baixo-carbono”. O programa proporciona geração de “créditos de carbono” para empresas, organizações e pessoas e promove a recuperação de áreas degradadas e improdutivas na Amazônia.

Qual problema buscou resolver?

Degradação florestal resultante do uso da terra e agricultura pouco sustentável que utilizam práticas inadequadas como queima; baixo aproveitamento econômico dos recursos florestais – produtos da sociobiodiversidade como Copaíba e Andiroba poucos explorados ou com cadeias produtivas não estruturadas; falta de alternativa econômica sustentável para geração de renda e garantia a segurança alimentar das famílias nas Unidades de Conservação e desconexão dos grandes centros urbanos com a Amazônia.

Por que é uma iniciativa inovadora?

O programa auxilia o ganho de escala da restauração ao propor modelo financeiramente viável – as compensações são capazes de cobrir todos os custos de implantação e monitoramento das áreas recuperadas. Além disto, o modelo de restauração florestal proposto pelo programa gera retornos econômicos para o produtor e pode ser replicado em áreas de condições climáticas e de solo adversas.

Por que ela precisa do seu apoio?

O Idesam busca um melhor entendimento e aprimoramento do modelo de negócios, sobretudo no que se refere ao ganho de escala (atingir novos clientes e viabilizar novas áreas de SAF) e captação de recursos. Além disso, um dos principais gargalos é a sustentabilidade financeira do negócio no longo prazo, o que demanda um melhor entendimento do segmento de clientes e precificação dos produtos/serviços oferecidos.

Por que ela precisa do seu apoio?

O Instituto Auá busca fortalecer sua orientação para o mercado de restauração, profissionalizando atividades como a produção de mudas, comercialização, buscando apoio com projetos que o fazem em grande escala.

Qual problema buscou resolver?

As espécies nativas da Mata Atlântica possuem um enorme potencial para uso na alimentação, fármacos e artesanatos, podendo gerar riqueza e promover o desenvolvimento local. Mas o potencial desse bioma é subutilizado no país, particularmente por modelos culturais que privilegiam produtos e cultivos exóticos.

Queremos sair de um modelo de monocultura para promoção de uma policultura que valorize as espécies nativas, o uso de técnicas agroecológicas e a geração de renda para as famílias dos produtores envolvidos para um futuro mais sustentável.

Por que é uma iniciativa inovadora?

A iniciativa do Instituto Auá é inovadora porque está desenvolvendo um modelo de produção sustentável que restaura floresta, indo ao encontro do conceito defendido pela Unesco de Ecormercados, em que em que a conservação ambiental e a inclusão social estão dentro das atividades produtivas.

O "Potencial das Nativas da Mata Atlântica para fortalecimento do ecomercado e recuperação do Cinturão Verde de SP” é uma iniciativa do Instituto AUÁ, que atua em 3 frentes de trabalho em áreas de Mata Atlântica que são grandes desafios para viabilizar uma economia restauradora de produtos de Mata Atlântica: a disponibilidade da matéria-prima, pesquisa aplicada e criação de mercados.

INSTITUTO AUÁ

NUCLEÁRIO

O Nucleário é um dispositivo para ser instalado ao redor das mudas nos plantios de restauração para minimizar o trabalho de manutenção pós plantio e ao mesmo tempo aumentar a taxa de sucesso das mudas. Sua forma multifuncional possibilita o acúmulo de água da chuva, barreira física contra formigas cortadeiras e coroamento contra mato-competição.

Por que é uma iniciativa inovadora?

Seu formato inovador permite minimizar os principais riscos associados ao plantio de mudas, e ainda consegue reduzir os custos de implantação em 30%. Os projetos de restauração florestal atualmente apresentam uma alta taxa de replantio devido a mortalidade das mudas.

Qual problema buscou resolver?

Os projetos de restauração florestal atualmente apresentam uma alta taxa de replantio devido a mortalidade das mudas. Fatores como desidratação, falta de nutrientes, herbívora e matocompetição comprometem o desenvolvimento das mudas e da sucessão natural. Um dos grandes gargalos no processo de restauração florestal são os altos custos de mão de obra. A instalação do Nucleário ao redor

das mudas nos projetos de restauração florestal aumenta a eficiência e barateia a manutenção

pós-plantio das mudas.

Por que ela precisa do seu apoio?

Para continuar a pesquisa e desenvolvimento do

Nucleário, precisamos de apoio para desenvolver um material biodegradável que permaneça em campo durante um mínimo de 3 anos.

Por que ela precisa do seu apoio?

O Viveiro Lua Nova tem planos de produzir 1 milhão de mudas nesse sistema inovador e busca apoio para articular sua produção com demandas em potencial, além de conseguir levar essa tecnologia para outros territórios.

Por que é uma iniciativa inovadora?

O Viveiro Lua Nova desenvolveu uma tecnologia de produção de tubetes biodegradáveis, que estão ajudando a reduzir o custo e aumentar a taxa de sucesso de projetos de restauração. Com o trabalho logístico das caixas e a implantação dos tubetes biodegradáveis, o custo de transporte teve uma redução média de 25% e a operação de plantio de 27%. Como não é necessário o retorno dos tubetes, o próprio viveiro teve uma redução nos custos de 9% por deixar de receber, conferir, lavar e colocar

nas bandejas de produção os tubetes de plástico que retornam do cliente.

O Viveiro Lua Nova vem desenvolvendo e aplicando técnicas sustentáveis para viabilizar a produção de mudas destinadas à recuperação de áreas degradadas e de nascentes. Por meio de muitas pesquisas, testes e parcerias foram criadas duas tecnologias inovadoras, os tubetes biodegradáveis e a multiplicação e inoculação de micorrizas e rhyzobium.

VIVEIRO LUA NOVA

Qual problema buscou resolver?

O propósito do Viveiro Lua Nova é desenvolver tecnologias para produzir mudas de alta qualidade a custos mais baixos do que o convencional, com um potencial diferenciado no que se refere à velocidade de crescimento, porcentagem de pegamento, facilidade de transporte e economia no plantio.

RESTAURAÇÃO FLORESTAL COM RETORNO ECONÔMICO NA MATA ATLÂNTICA

A missão do Laboratório de Silvicultura Tropical (LASTROP) é desenvolver conhecimento e tecnologia para manejar e restaurar florestas nativas de forma economicamente viável e com inclusão social, respeitando as particularidades ecológicas de cada ecossistema. O projeto selecionado está desenvolvendo sistemas de restauração florestal que utilizam eucalipto como espécie comercial em conjunto com nativas, para viabilizar economicamente a restauração em pequenas e grandes propriedades.

Por que é uma iniciativa inovadora?

O componente inovador desse sistema de restauração florestal é capacidade de orquestrar os interesses e
conhecimentos da ciência, do setor privado e de instituições financeiras para superar barreiras tecnológicas e econômicas que impedem a restauração em larga escala. A utilização temporária de uma espécie exótica com alto valor comercial, como o eucalipto (intercalado com nativas), além de gerar receita, desempenha o papel de espécie pioneira, fixa grandes quantidades de carbono e ajuda a combater gramíneas por sombreamento. 

Por que ela precisa do seu apoio?

Temos a intenção de tornar essa iniciativa em algo acessível a propriedades rurais de quaisquer tamanhos e de quaisquer regiões da Mata Atlântica. Para isso, buscamos apoio para o desenvolvimento de um pacote tecnológico voltado para o produtor rural que permita sua utilização em larga escala, bem como o desenho de um modelo financeiro sustentável.

Qual problema buscou resolver?

Essa iniciativa busca uma alternativa para o alto custo da restauração por plantio, sem receita em curto prazo, tentando reverter o desinteresse de proprietários rurais, e a falta de retorno econômico para financiar essa atividade.

REDE SEMENTES DO XINGU

A Rede de Sementes do Xingu é uma articulação que produz sementes nativas para o processo de restauração ecológica nas cabeceiras do Xingu através da inclusão sócioprodutiva e cultural de povos indígenas e agricultores familiares. Ela promove a articulação de demandas e ofertas de sementes para a restauração fortalecendo o método de plantio por semeadura direta. Em dez anos, a Rede se consolidou como uma iniciativa que promove e valoriza conhecimentos locais, conserva a biodiversidade e fortalece as relações de cooperação de comunidades de agricultores familiares e povos indígenas.

Por que é uma iniciativa inovadora?

A rede é um marco da união de diferentes atores sociais da região em prol de um objetivo comum, que é restaurar florestas. Além disso, as redes de sementes nativas são um princípio elementar na cadeia de valor da restauração florestal pelo Brasil, com alto potencial de ganhar escala.

Qual problema buscou resolver?

A Rede atua na construção de uma oferta qualificada de sementes nativas para processos de restauração, em uma área que sofre imensas pressões por desmatamento.

Por que ela precisa do seu apoio?

A Rede de Sementes do Xingu busca apoio para aprimorar o plano de negócios e a preparação para crescer e disseminar a iniciativa em vários territórios, além da formação em gestão de negócios de impacto na Amazônia envolvendo comunidades e povos indígenas.